O ex-presidente Lula (PT) pediu ao governador da Bahia, Rui Costa (PT), que solicite ajuda das Forças Armadas para apoio às vítimas das enchentes causadas pelas fortes chuvas que atingem o Estado desde a noite de quinta-feira, 23/12. As inundações e fortes correntezas já deixaram cerca de 16 mil desabrigados e causaram 18 mortes. “É uma tragédia gigantesca”, classificou Rui Costa que está na região para coordenar as equipes de socorro.

        “Conversei com o governador Rui Costa, é importante e urgente que as Forças Armadas, com sua estrutura de enfrentamento de calamidades, atuem no apoio para as vítimas das enchentes. Sem nenhum tipo de veto político, mas sim para ajudar o povo da Bahia”, postou Lula em seu Twitter.

        As enchentes já atingiram 37 cidades até este domingo (26/12), nas regiões Sul e Sudeste da Bahia, que estão em alerta por causa dos fortes temporais, cujas correntezas fizeram romper ao menos duas barragens. Segundo a Sudec (Superintendência de Proteção e Defesa Civil do Estado) e as prefeituras dos municípios atingidos, são mais de 4.185 desabrigados e 11.260 desalojados. O número de feridos era de 286 e a população total atingida chegava a 378.286.

         A região já havia sido castigada pelas chuvas no começo do mês, que voltaram às localidades desde quinta-feira (23), com maior intensidade na sexta-feira (24/12) e no sábado (25/12). O governador da Bahia, Rui Costa, sobrevoou neste domingo (26/12) as áreas mais atingidas, como Itabuna e Itajuípe, e disse que as imagens são muito fortes.

         “É uma tragédia gigantesca. Não me lembro se na história recente da Bahia tem algo dessa proporção, pela quantidade de cidades e casas envolvidas. É algo assustador o número de casas, ruas e localidades completamente debaixo d’água”, afirmou o governador.

Em Ilhéus

O governador Rui Costa informou, em mensagem gravada no final da tarde deste domingo (26/12), que vai permanecer no município de Ilhéus coordenando as ações de apoio às vítimas das chuvas. O governador afirmou que “a prioridade neste momento é resgatar e acolher pessoas, retirá-las das áreas de risco, apoiar essas famílias garantindo a elas dignidade, mesmo que seja em um alojamento provisório. Mas o importante é preservar a vida das pessoas”.

         Rui convocou a população para ajudar na conscientização das pessoas que vivem em áreas de risco. “Se você conhece alguém em qualquer dessas cidades que viva em área de risco, avise para que essas pessoas deixem suas casas. Se você mora em áreas mais baixas, não resista em deixar sua casa, se a água começou a chegar, saia de casa imediatamente, procure um lugar seguro, a casa de um amigo, de um parente, ou um abrigo da prefeitura”.

         O governador destacou que o trabalho continua. “Vou dormir aqui, e vamos continuar visitando as cidades, apoiando e acompanhando o atendimento dos bombeiros, dos policiais, das equipes médicas. Eu conto com a ajuda de vocês para vencer essa tragédia que, na história recente da Bahia, eu não me lembro de outra igual, com essa dimensão. Já tivemos tragédias localizadas, mas com essa dimensão, não me lembro”.

         Neste domingo, além de sobrevoar cidades atingidas pelas chuvas, Rui manteve reuniões com representantes dos governos federal, estadual e municipal. “Organizamos e planejamos as intervenções de hoje e dos próximos dias. Também sobrevoei a região, infelizmente a cena é muito triste, muitas casas tomadas pela água, centros de cidades, como Itajuípe, Itabuna, Ilhéus, Jequié, várias comunidades debaixo d’água. Mas nós vamos trabalhar duro para recuperar os prejuízos”.

         O governador destacou e agradeceu a ajuda de outros estados. “Nós estamos com helicópteros, inclusive de outros estados. Quero agradecer aos governadores do Nordeste, do Maranhão, do Ceará, Sergipe, e também dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Mas, precisamos de tempo porque a área é muito grande. Vale do Jiquiriçá, região de Ipiaú, de Gandu, no Oeste da Bahia, infelizmente, também têm cidades alagadas. Aqui no sul da Bahia são muitas cidades”, concluiu.

Deixe uma resposta