No segundo dia de vacinação de crianças de 5 a 11 anos, com comorbidades ou deficiência permanente (PcD) contra a Covid-19, os quatro pontos estratégicos montados pela Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), registraram a movimentação de pais em busca da “dose da esperança” para os filhos.

         A fisioterapeuta Cleiva Cavalcante, de 35 anos, mãe do Bernardo, de 10 anos, que é asmático, e da Tiffany, de 7 anos, pessoa com síndrome de Down, aproveitou esse segundo dia para levar os filhos para receberem a dose da vacina pediátrica contra a Covid-19.

         “Este é um momento de muita emoção, porque muitos familiares perderam entes queridos e estamos recebendo a dose de esperança dos nossos filhos. É muito importante, representa que dias melhores estão por vir”, declarou bastante emocionada.

         Aguardando ser chamado no ponto montado no Centro de Convivência Magdalena Arce Daou, Bernardo contou que estava bastante ansioso pelo momento. “Não é só os adultos que estão pegando a Covid-19 e a vacina é uma prevenção para a doença. Essa é a dose da esperança, que pode salvar o mundo do novo coronavírus”

         Já no Parque da Criança, a professora Ana Paula Marques, 43 anos, contou sobre a expectativa de vacinar o filho que é asmático. “Eu não via a hora deles se vacinarem, principalmente porque eu tenho três filhos e um deles é asmático. Acredito que é de suma importância que todos os pais tenham consciência disso e tragam seus filhos, assim como todas as vacinas são importantes, a da Covid-19 também é. E agora, mais do que nunca, com esse novo surto da doença”.

Prevenção

         A chefe da Divisão de Imunização da Semsa, Isabel Hernandes, responsável pela coordenação da campanha de vacinação no município, reforçou a importância de imunizar a população dentro da faixa etária indicada, para evitar a gravidade de sintomas.

         “A única forma de proteger contra a forma grave da doença é a vacina, isso já está provado. Por exemplo, há várias pessoas adoecendo com a Ômicron, mas não tendo grandes consequências. Como as crianças não tomaram nenhuma dose, essa é a oportunidade e o momento de começar a protegê-las”, explicou Isabel.

         A enfermeira Eliane do Nascimento, que coordena o ponto de vacina do parque Cidade da Criança, no bairro Aleixo, Zona Centro-Sul, comentou que o espaço oferece toda uma estrutura lúdica para melhor atender o público infantil. Ela aproveitou para explicar sobre a necessidade de que, após vacinada, a criança deve permanecer no local por 20 minutos, em atendimento aos protocolos de segurança estabelecidos pela Anvisa.

         “Muitos pais se assustam com isso, mas esse tempo de espera está dentro dos critérios do Ministério da Saúde e em todas as salas de vacina do país, as crianças teriam que permanecer de 15 a 20 minutos. Só estamos cumprindo esse protocolo. É importante destacar que até agora nenhum efeito adverso foi registrado”, explicou a enfermeira.

Deixe uma resposta