Um marco da história da região do Baixo Tocantins foi escrito nesta quinta-feira (24), quando o governador do Pará, Helder Barbalho, entregou a ponte “Gerson Peres”, sobre o rio Meruú, no município de Igarapé-Miri. Localizada na PA-151, a nova via integrará a região com a Grande Belém, beneficiando diretamente 12 municípios: Igarapé-Miri, Mocajuba, Barcarena, Abaetetuba, Cametá, Baião, Moju, Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Izabel.

O percurso de uma margem a outra do rio Meruú agora é feito em 38 segundos pelos veículos. Antes, se esperava até uma hora para atravessar o rio na balsa. O ganho é para a logística, para a produção, para a economia do município e para toda a população que vive no Baixo Tocantins, que segundo o último censo do IBGE ultrapassa 740 mil habitantes.

O motorista Junior Veloso, foi outro que elogiou a obra, compromisso de campanha do governador. “A ponte vai melhorar muito para nós, porque vai acabar esse transtorno de ficar parado e às vezes até perdemos passageiros por isso. Pessoas da zona rural que trazem comida, não terão mais problemas. Agora, teremos um pouco mais de lucro. Com essa ponte vai ter uma melhoria muito grande. Baião, Mocajuba, Cametá e Igarapé-Miri estão em festa”, detalhou.

Segundo o governador Helder Barbalho a entrega da ponte do Meruú envolve sonho, esperança, expectativa e muito tempo de espera de toda a população do Baixo Tocantins.

Para o secretário de Estado de Transportes (Setran), Adler Silveira, a construção da ponte é uma conquista histórica, que incentiva as vocações econômicas da região, trazendo desenvolvimento para a população que vive no entorno. “Além da geração de emprego e de renda, a agricultura familiar vai ser também beneficiada, uma vez que o frete estará mais barato sem o pagamento da travessia da balsa. É o governo dando mais qualidade de vida para a população, que não vai mais precisar esperar nas filas. A ponte vai integrar as regiões do estado entre RMB com Baixo Tocantins” disse.

Como a economia da região do Baixo Tocantins gira em torno da produção, beneficiamento e exportação do açaí, projetando Igarapé-Miri como o maior produtor de fruto do Brasil, a economia da região a partir de agora está dividida em dois marcos temporais: antes e depois da ponte. “Sem a ponte, a indústria enfrentava muitas dificuldades, já que trabalhamos com um produto perecível. A demora na travessia fazia aumentar o tempo de exposição do fruto à chuva e ao sol, prejudicando muito o produto final. Agora, teremos essa realidade melhorada. Já cheguei a pagar até R$ 2 mil por dia para atravessar nossos caminhões em tempo de safra, então esse valor acabava indo para o preço final do produto”, disse Edison Irmão, coordenador de logística de uma empresa de açaí localizada na cidade.

O coordenador de logística explica ainda que a maioria dos fornecedores da empresa fica na margem oposta do rio Meruú, onde está localizada a fábrica, que processa em média 120 toneladas de açaí por dia. O fruto movimenta mais de R$ 3 bilhões na economia paraense. O Pará é o maior produtor de açaí no planeta com cerca de 1,5 milhão de toneladas anuais.

Daniel Silva, autônomo, destaca que a ponte vai facilitar a vida de quem mora na região do Baixo Tocantins. “Eu costumo atravessar a balsa em 40 minutos a depender do trânsito, e agora com a construção da ponte vai ser tudo muito rápido. O governo estadual tá de parabéns por essa contribuição, que vai facilitar com o trabalho de muita gente”, disse.

Sobre a ponte Gerson Peres – A Ponte, que tem 560 metros de extensão, ganhou o nome de Gerson Peres em homenagem ao ex-deputado federal paraense falecido em 2020. Localizada no quilômetro 100 da PA-151, ela ponte contém 15 pilares para apoio e sustentação do tabuleiro. Durante a entrega de hoje, filhos e netos do político foram homenageados. Cada um recebeu uma miniatura da placa da ponte Meruú.
Para garantir a segurança da navegação, a ponte foi construída com dolfins de proteção dos seus pilares a fim de evitar choque de embarcações. Os dois vãos centrais para navegação da ponte Gerson Peres podem receber embarcações de até oito metros de altura e até 30 metros de largura.

A rodovia PA-151 tem 255,7 quilômetros de extensão e é o acesso aos municípios de Barcarena, Abaetetuba, Igarapé-Miri, Cametá, Mocajuba, Baião e Moju, foi construída há mais de 20 anos. A PA-151 pode ser acessada por meio das PA’s 481, 483, 403, 252, 407, 467, 469, 256, 471 e 258 e ainda pela Alça Viária.

Por Kátia Aguiar (SETRAN)

Deixe uma resposta