O empresário e mega investidor Ricardo Semler, em artigo publicado no jornal Folha de São Paulo, deste domingo (13/03), fez apelo a seus pares, principalmente a milionários jovens e pediu união em torno do ex-presidente Lula (PT) para evitar que o Brasil se torne um pária internacional em caso de vitória de Jair Bolsonaro.

“O que espanta é ver colegas da elite não se mobilizando para terminar com o reinado em vigor. É hora de empresários importantes e as centenas de jovens milionários se associarem para evitar o pior. Chega de centrão ou acreditar que a direita de baixo intelecto é uma solução para o país”, escreveu.

“Há alguns anos estava óbvio que a elite seria omissa, o que levaria a um Brasil humilhado, mais pobre e de baixo QI. A ideia de que Paulo Guedes, de pouca competência e alta vaidade, seria o porto seguro dos empresários já era risível. Agora, a obstinada procura míope pela terceira via continua criando um risco substancial à nação”, prossegue. 

“Lula (PT) segue líder nas pesquisas, mas há sinais de que sua vitória pode estar em perigo. A jogada do Auxílio Brasil, obtida com ampla corrupção no Congresso, ainda não fez efeito —nem o fim da pandemia, com o aumento de empregos que virá junto”, acrescenta. Semler também alerta que se ele [Bolsonaro] se reeleger, o Brasil vai para a categoria de “rogue country” —pária institucional.

“Repete-se a ladainha do perigo vermelho e outras posições ignorantes —ora, o PT nada mais é do que um socialismo brando europeu. A opção, aliar-se ao que o Brasil tem de mais corrupto e sórdido, o centrão, é miopia medonha.É hora de negociar com Lula um Arminio Fraga, um Pedro Malan ou um Pérsio Arida. Hora de financiar um caminho saudável, manifestar-se contra a barbárie burra em que nos metemos por falta de visão”, lamenta o empresário.

Deixe uma resposta