O ex-presidente Lula (PT) desembarca em Brasília, na tarde desta segunda-feira (11/04), com objetivo de consolidar e ampliar o leque alianças políticas para governos estaduais, Congresso Nacional e à sua candidatura à Presidência da República. Na noite desta segunda-feira, o petista terá encontro com senadores do PT, Rede, MDB, PSD entre outras lideranças partidárias. No dia 14, Lula visitará o 18º Acampamento Terra Livre, instalado no Eixo Monumental, onde estão acampadas cerca de 8 mil lideranças indígenas de todo Brasil.

O jantar desta noite será na casa do ex-senador Eunício Oliveira (MDB-CE) e de acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP), um dos coordenadores da campanha de Lula, será um encontro suprapartidário. “Decidimos convidar todos os senadores que já apoiam Lula, independentemente de partido. Não é uma reunião do MDB”, afirmou.

Já confirmaram presença os senadores Dário Berger (SC), Eduardo Braga (AM), Jader Barbalho (PA), Marcelo Castro (PI), Nilda Godim (PB), Vital do Rego (PB), Giordano (SP) e Rose de Freitas (ES), Renan Calheiros (MDB-AL), Omar Aziz (PSD-AM), Acir Gurcacz (PDT-PR) e Katia Abreu (PP-TO). Também estarão presentes o ex-senador Romero Jucá (RR) e o ex-presidente José Sarney (MA). O jantar deve ainda ter a presença dos senadores Otto Alencar (PSD-BA), Flávio Arns (Podemos) Fabiano Comparato (PT/ES), Humberto Ciosta (PT/PE), Jaques Wagner (PT/BA), Jean Paul Prates (PT/RN), Paulo Paim (PT/RS), Paulo Rocha (PT/PA) e Rogério Carvalho (PT/SE).

 “Será um jantar simbólico, de frente ampla para derrotar Bolsonaro”, diz Randolfe, que tem colaborado nas discussões para a montagem da estratégia de campanha de Lula. Entretanto, o fato mais relevante será a consolidação do apoio da maioria da bancada do MDB no Senado ao petista.

Com indígenas

Já com indígenas, o encontro se dará dentro do está sendo considerada a maior mobilização indígena do Brasil, 18º Acampamento Terra Livre, instalado no Eixo Monumental, onde estão acampadas cerca de 8 mil lideranças indígenas de todo Brasil. A mobilização ocorre no mesmo período em que o Congresso Nacional e o governo pautam a votação de projetos que violam os direitos dos povos indígenas.

Como chamada “agenda anti-indígena”, composta pelo julgamento do Marco Temporal no Supremo Tribunal Federal (STF) e por projetos de lei que liberam a exploração de terras, o licenciamento ambiental e o uso de agrotóxicos, e por  demarcação de territórios indígenas. 

A mobilização é uma realização da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), que volta a Brasília, neste ano, com o tema ‘Retomando o Brasil: Demarcar Territórios e Aldear a Política’. O ATL acontece na área externa do Complexo Cultural Funarte, no Eixo Monumental, em Brasília. E encerra no dia 14 de abril. 

Deixe uma resposta