Em artigo intitulado “Lula acerta ao dizer que emprestou dinheiro ao FMI, mas exagera no valor”, o grupo internacional de notícias CNN decidiu fazer uma checagem nos discursos do ex-presidente Lula (PT) e chegou à constatação sobre a veracidade do discurso do petista quando menciona dados de sua gestão frente ao governo brasileiro. Não dá para saber qual foi a intenção da equipe ao fazer o artigo. Mas, se o objetivo era buscar desqualificar Lula, o resultado saiu como se fosse escrito por um petista buscando apenas ajustar o discurso de Lula aos números. 

O artigo conclui por exemplo que: “ O ex-presidente quitou dívida do Brasil com o  FMI (Fundo Monetário Internacional) e tornou o país credor da instituição”.

O empréstimo ao FMI

“Ao mencionar a dívida com o FMI, Lula se refere a um débito de aproximadamente US$ 30,4 bilhões contraído pelo Brasil em outubro de 2002, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Segundo a instituição, os principais candidatos à Presidência naquele ano se comprometeram a manter os contratos e a política de austeridade fiscal impostas, incluindo o petista”.

“Em 2005, o governo Lula quitou todas as dívidas com o FMI. Quatro anos depois, o Brasil emprestou dinheiro à instituição pela primeira vez na história. O valor, porém, foi de US$ 10 bilhões ― e não de US$ 15 bilhões, como citado pelo ex-presidente. Corrigindo o valor em dólares pela inflação acumulada desde outubro de 2009, ano do empréstimo, a quantia chega a US$ 13,3 bilhões”.

A taxa de inflação

“Em relação aos dados macroeconômicos, quando o petista assumiu o governo, o Brasil tinha uma inflação de 12% e uma taxa de desocupação de 11,7%, que conferem com sua fala”.

“No final do seu segundo mandato, em 2010, o Instituto Brasileiro de Estatísticas (IBGE) registrou uma inflação de 5,91%”.

“Lula disse que “a inflação ficou em 4,5%”, mas não mencionou o período. A taxa mais próxima desse patamar foi medida pelo IBGE em 2007(segundo governo Lula), quando o país teve uma inflação de 4,46%. Ela já ficou abaixo disso durante o governo do petista: em 2006, foi de 3,14%, e em 2009, de 4,31%. Em todos os outros anos de seu governo, o IPCA ficou acima de 5%”.

O índice de desemprego

“O ex-presidente afirmou ainda que o desemprego chegou a 4,3% no final da gestão de Dilma Rousseff, sua sucessora. O dado se refere, na verdade, ao desemprego de dezembro de 2014, no final do primeiro mandato da petista. Segundo o IBGE, o número, também registrado em dezembro de 2013, foi o menor de toda a série histórica mensal, iniciada em março de 2002”.

“Ainda em 2014, a taxa média de desocupação foi de 4,8% no ano, a menor desde o início da série histórica anual, que teve início em 2003”.

“Após a reeleição de Dilma, em 2014, o desemprego aumentou progressivamente. Em 2016, ano em que a presidente foi retirada do cargo por meio de um processo de impeachment, o IBGE registrou uma taxa de desocupação de 11,5%”.

As reservas internacionais

“Durante a entrevista, Lula afirmou também que o Brasil “não tinha um dólar de reserva internacional” quando assumiu o governo. Segundo o Banco Central, no final do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), em 2002, o país tinha U$ 37,823 bilhões em reservas cambiais”.

“O número corresponde a cerca de 13% daquele apresentado no final do segundo mandato do petista, em 2010. O valor era de U$ 288,822 bilhões”, afirma o artigo da CNN.

Deixe uma resposta