A cinco meses do primeiro turno da eleição para a Presidência da República  crescem as apostas especulando nomes para compor governos, em especial do eventual governo Lula 3, devido ao  nome do ex-presidente petista liderar todas as pesquisas de intenções de votos.

Em várias ocasiões, Lula disse desejar uma nomeação política para ocupar o ministério da Economia, alguém “com boas relações com o Congresso e com conhecimento de finanças públicas. Entre as figuras petistas o nome que sobressai, entre analistas financeiros, de acordo com o site InfoMoney é do governador da Bahia Rui Costa.

Em pesquisa realizada entre os analistas financeiros, a maioria (31,3%) das respostas espontâneas aponta para o nome de Costa para o ministério da Economia. Economista, o governador baiano foi também citado em conversas com interlocutores do mercado pelo ex-ministro José Dirceu, da Casa Civil sob Lula, como sua aposta para o posto.

O senador baiano Jaques Wagner e o deputado cearense José Guimarães também já ventilaram a possibilidade de que o cargo fique com Costa, citando o ajuste fiscal feito por ele no governo baiano.

“Caminhos” levam a Rui Costa

Há algum tempo Lula vem deixando pistas sobre o eventual ministro da Economia de seu terceiro mandato. Além do “alguém com boas relações com o Congresso e com conhecimento de finanças públicas”, Rui Costa não entrará em nenhuma disputa eleitoral neste ano apesar de seu franco favoritismo para ocupar a cadeira do Senado.

Ao invés de encarar uma disputa que certamente levaria à ‘lona’ o senador Otto Alencar (PSD), que tentará a reeleição pelo grupo baiano liderado pelo PT, Rui optou por deixar Otto livre para tentar renovar seu mandato, apostar no novato Jerônimo Rodrigues como seu sucessor e colaborar na articulação de Lula com o PSD de Gilberto Kassab. Articulação essa cujo maior resultado deve acontecer dia 9 de maio quando Lula visitará Minas Gerais. Lá é esperada uma aliança entre Lula e o ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD). Como se vê, Rui Costa tem “ralado” e, portanto, caso seja contemplado com o ministério da Economia, é um grande merecedor.

Deixe uma resposta