Pela quarta vez, Adriano Karipuna, liderança do povo Karipuna, se dirige ao Fórum Permanente das Nações Unidas para as Questões Indígenas (UNPFII), para denunciar a invasão do território tradicional e genocídio dos povos originários no Brasil. “Venho ao Fórum Permanente da ONU [Organização das Nações Unidas] para denunciar o Estado brasileiro por invadir nosso território indígena Karipuna”, destacou a liderança Karipuna, em declaração escrita e entregue à 21ª sessão do UNPFII, na quinta-feira, 28 de abril, em Nova York/USA, onde ocorre o evento.

Ao Fórum, Adriano também denuncia que “desde 2017, a terra indígena Karipuna vive sob ataques de invasores que desmatam e tiram toda a riqueza de nossa terra e também ameaçam nossa integridade física, cultural e territorial”.

A denúncia vai de encontro ao monitoramento feito pelos indígenas, pelo Greenpeace Brasil e pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) na Terra Indígena (TI) Karipuna, no qual identificou uma nova frente de desmatamento naquela região. Numa incursão a campo, realizada no segundo semestre de 2021, foram encontrados novos 850 hectares de desmatamento ilegal no interior da TI, revelando um aumento de 44% em relação ao ano anterior.

A pecuária, com a produção de carne, e o agronegócio, com avanço da soja, são apontados como os principais responsáveis pela pressão sobre as florestas e os povos que vivem nela e dela. Por diversas vezes, a invasão do território tem sido denunciada pelos indígenas, tanto no Brasil como nos espaços da ONU. Os Karipuna alertam para a ação organizada dos invasores: “estamos sofrendo ameaças de morte do crime organizado”, destaca Adriano.

Com informações do CIMI

Deixe uma resposta