A edição desta quarta-feira (04.05.22) da revista norte-americana TIME, uma das mais importantes publicações do mundo, que traz longa e exclusiva entrevista com o ex-presidente Lula (PT), a quem classifica em sua capa como “Lider mais popular do Brasil” irritou e revoltou os filhos do presidente Jair Bolsonaro e lideranças bolsonaristas que não se conformaram com o espaço dado pela revista ao petista. Para líder petista a revolta não passa de inveja. “Inveja mata”, disse à reportagem do Amazon News.

“O segundo ato de Lula. Líder mais popular do Brasil busca retorno à presidência”, diz a manchete de capa, e prossegue em sua contextualização jornalística: “O presidente mais popular do Brasil retorna do exílio político com a promessa de salvar a nação”, classificando como política a prisão em Curitiba que tirou o petista da disputa pela Presidência da República em 2018.

“A volta de Luiz Inácio Lula da Silva à linha de frente da política foi uma bomba para o Brasil”, diz a revista em referência ao restabelecimento dos direitos políticos de Lula pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Irritação de filhos e bolsonaristas

A capa da TIME que irritou os filhos de Bolsonaro e bolsonaristas

Mas a publicação acabou irritando os filhos e a ala apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (PL). Nas redes sociais de internet,  bolsonaristas criticaram a escolha do petista para a capa da revista, que além de estampar o rosto de Lula, também chamavam o ex-presidente de “o político mais popular do Brasil”.

O ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles foi um dos primeiros a reagir à capa. “Quem liga para essa porcaria da revista Time?!”, escreveu. 

Quem também se irritou com a publicação foram os filhos do presidente Bolsonaro. O mais velho, senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), publicou uma série de memes sobre o assunto. Em um deles, Lula aparece na capa da revista, mas através das grades. 

Em seguida, Flávio sugeriu mudar a manchete da publicação. “A capa da Time deveria ser assim: ‘Inflação chega a 55,1% na Argentina e quase metade da população passa fome’”. Embaixo, o filho do presidente publicou uma foto de Lula ao lado de Cristina Kirchner e do presidente argentino Alberto Fernández.

O senador também postou um meme que comparava imagens de Lula no passado e no presente. Nas fotos, Lula aparece de vermelho e, em seguida, esconde as cores do Partido dos Trabalhadores (PT). “Por que o Lula quer esconder o PT?”, perguntou.

O filho “02” de Bolsonaro e vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ) republicou uma thread de Felipe G Martins, chefe da assessoria internacional da Presidência da República e acusado de fazer sinais nazistas, sobre a revista.

No texto, o assessor de Bolsonaro fala que a revista está “se intrometendo” na política brasileira. Em seguida, ele cita diversas empresas, pessoas e ações internacionais que apoiam o ex-presidente Lula, segundo ele. 

“Diante disso, cabe a cada brasileiro que se importa com o destino do Brasil, e que não deseja ver nosso país perder ainda mais sua autonomia, se dar conta do que está por trás dessa campanha internacional de difamação ao governo Bolsonaro, denunciá-la e respondê-la à altura”, escreveu Felipe. 

Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho “03” de Bolsonaro e deputado federal, usou as redes para defender a liberdade de expressão. Para ele, “se houver liberdade de expressão” é possível para bolsonaristas defenderem suas ideias e os opositores se “afundarem sozinhos”.

Na sequência o deputado criticou a escolha da Time. “Como fazer a sua revista perder a credibilidade: retrate o maior bandido de um país como a sua esperança”, escreveu. 

“Revista Time falando que Lula voltou de um exílio político. Ué, a prisão por crimes de corrupção mudou de nome?”, perguntou.

Inveja mata

Lula no ato de 1º de maio de 2022

Para líder petista ouvido pelo Amazon News, que preferiu não se identificar, a revolta não passa de inveja. “A inveja mata”, disse. “Lula deixou a presidência em 2010 aprovado por 87% da população, com ótimo e bom. Por isso toda a sua popularidade. Por isso lidera todas as pesquisas de intenções de votos. Por isso, apesar do massacre, da perseguição sofrida por ele e sua família resultado da ação funesta da operação Lava Jato continua sendo querido pela população brasileira”, afirmou.

Deixe uma resposta